Entrevista com a Banda Marco 21

image

Há dois meses atrás eu fiz uma entrevista com Daniel Alcântara sobre sua carreira como guitarrista, personalidade musical, sonhos… Dan já havia me contado um pouco sobre suas bandas e projetos, entre eles o “Marco 21″. Não demorei muito para curtir a página da banda e desejar ouvir outras musicas. Logo em seguida pedi a ele e aos integrantes para me concederem um ” bate papo” bem descontraído. Em menos de uma semana lá estava eu, sentada na sala do estúdio, intrigada com a sintonia incrível dos caras.

*Infelizmente, no dia o baixista Guto não pode ir no dia mas fez bastante falta na hora do som rolar!

Confiram o primeiro single da Banda e fiquem de olho na page dos caras. Se você curte música Indie e Pós punk vão curtir a Marco 21!

May: Contém um pouco sobre vocês, quem vive de música? A quanto tempo estão na cena? Sobre Daniel eu já sei um pouco!

Eloihim: Eu comecei a fazer shows e trabalhar desde 2012, mas já tocava antes.

Bruno: Eu também comecei em 2012, mas toco desde os 11, e tenho 19 agora.

May:E Guto o baixista?

Daniel: Guto não teve a possibilidade de viver apenas de música, mas ele trabalha com ela há uns 7 anos… A família dele é musical como amigo há então ele tá envolvido com ela há bastante tempo.

May: Há quanto tempo a banda existe?

Bruno: Três meses, foi tudo muito rápido!

Eloihim:O engraçado foi que a gente ensaiou muito pouco, duas vezes. E com duas semanas de banda já fizemos Show!

May:Já? Nossa!

Eloihim: Ah! Somos pessoas que gostam tocar, não precisamos complicar isso.

image

May: Qual a proposta da banda pra o cenário?

Daniel: É cedo pra dizer.

Eloihim: Cara…Por mais que tenhamos sintonia ainda não temos afinidade pra definir a ideologia da banda sacou. Não tivemos oportunidade ainda, é algo que vamos definir com o tempo.

May: Humm. Mas no momento o que vocês estão trazendo?

Eloihim: O som que a gente curte vei
Bruno: A gente quer ter originalidade com o nosso som sabe… Inovar dentro de um estilo já conhecido, trazer nossas influências…

(Bruno nesse momento , começou a olhar para o nada e falar ! Eu até tentei transcrever, interpretando o que ele disse,mas o cara viaja demais! Artistas né? Nem sempre da pra entender! )

Eloihim: A gente quer trazer a parada que a gente curte, as influências as vezes nem vem do mesmo estilo que tocamos mas é assim mesmo vei.

Bruno: As influências na maioria das vezes são completamente diferentes do estilo da banda, e cada parte da banda é diferente também…

Daniel: Na verdade, vamos resumir essa porra assim ‘ A banda é muito nova, e por ter dois compositores as idéias nem sempre são iguais. Mas cada um mantém sua singularidade, cada um pensa e sente de uma maneira diferente. Porém isso não interfere de modo ruim em nada no som, por que acaba unindo atmosferas diferentes em uma sintonia.

Eloihim: Isso é do caralho!!!

May: Sendo dois compositores, como fica o processo de criação?

Bruno: A gente tá tendo uma composição nas músicas em que todos da banda contribuem e participam. Geralmente eu ou Daniel trazemos alguma idéia, ou parte da canção é mostramos para os outros caras.
image

May: E as influências de cada um de vocês? Assim… resumido, breve hahah

Bruno: The strokes, Artic Monkeys… São muitas músicas e bandas. É difícil dizer por que … o que mais vai me influênciar não tem nada haver com o som que eu tô trazendo… tipo minha Banda Favorita é Sistem of Down
Eloihim: Temos muitas referências dos anos 60 e 70, nessa linha rock, hardcore mas temos outras influências de outros estilos também.

May:Humm saquei. O que vocês acham do indie estar prostituído hoje em dia?

Eloihim: Velho… Tem uma lógica aí. O indie não era pra ser algo comercial por que ele nasceu de um movimento alternativo, independente… Só que como cresceu muito e se popularizou o estilo e as bandas mais famosas dele passaram por uma gourmertização (musical). Perderam um pouco da ideologia.

Bruno: Muitas bandas que se dizem “Indie” são de gravadoras. Mas não são realmente na essência. O indie vem muito mais daquela bandas que nascem na garagem, que estiveram realmente dentro da ideologia como Oasis…

Eloihim: Gourmertização!

Daniel: O indie tá meio prostituído por que se globalizou…e…

Eloihim: Gourmertização! Por que se globalizou vei, e tudo virou uma parada atual, modinha. Como qualquer coisa que virá atual ( cai na mídia) perde sua ideologia.

Bruno:Mas eu não acho que o indie vai ser esquecido e parar uma hora, como certas bandas coloridas que se popularizaram, todo mundo na época virou fã e agora ninguém lembra mais.

image

May: Como vocês escolheram o que iam tocar? Como isso acontece. Por que todos têm referências bem diferentes!

Eloihim: ah vei, é uma parada que acontece. Por que que sejamos diferentes temos algo em comum. E como todos gostamos de indie e rock numa linhas dos anos sessenta… rolou né vei, é algo mais dançante e interessante.

May: vocês já estão produzindo um CD?

Daniel: Rapaz. Estamos aos poucos…

Bruno: Estamos trabalhando num single primeiramente.

Eloihim: Tem outras propostas também, pela questão do índice também, queremos ousar outras coisas sem depender de gravadora! Quer ouvir o single?

May:Claro!

Daniel: Mas falta Guto, o baixista é a alma da banda!

Eloihim: você já viu alguma banda sem baterista? O baterista é a alma

Daniel: Já.

– – –
É isso aí! Curtam a Page da Marco 21 no face e sigam nos insta!

image

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s